quinta-feira, 28 de julho de 2016

Ardor


O caminho parece não dar em lugar nenhum.
A música não é boa, a companhia tampouco.
O sol arde demais e a lua tá sempre encoberta.
Até o vento é ruim...do tipo que bate nas costas
e bagunça o cabelo.

De repente, todas as coisas que tenho comigo
perderam completamente o sentido e o gosto.
Os sonhos foram desacreditados, perdidos
na perspectiva de ridículo vinda de outra pessoa.
Para quê?

Não sei cadê minha força pra subir morros.
Caminho retilíneo uniforme onde arrasto os pés,
apenas.

Perdi muitos dos meus sorrisos sinceros,
deixando-os cair, desperdiçados, por  aí.
Sigo a pé. Meio tonta, sem rumo.

quarta-feira, 13 de julho de 2016

...


Parece
que me alimento
do inconcluso.

Esquece.
Eu nunca fui
o que pensava ser.

Aquece
esse pé gelado
num caminho obtuso.

Fenece
a vontade de plantar
e fazer crescer.

Parece que é amor
mas, esquece.
Aquece um sorriso torto
num relacionamento morto
onde o amor fenece.