sábado, 27 de março de 2010

Mas que belleza (de ironia...)

Não tenho você e não tenho tempo.
Dou graças por isso.
Imagino que se tivesse tempo, sem você,
minha dor aumentaria ao cubo
e várias tentativas minhas morreriam em não.

E se eu tivesse você sem tempo,
putz!
tortura...ter sem ter.

Não tenho você e não tenho tempo.
Ainda assim me acabo um pouco todo dia
na lembrança do tato dos seus lábios na minha pele...

Meu querer é todo seu.
Minha noite morre em breu
cada vez que percebo o vazio que dorme comigo.
Eu o percebo todo dia...
e não tenho tempo.

Não ter você dói.
Te quero; com um querer abominável e desesperador,
mas que se transforma em acalento e amor quando se desfaz nos teus braços.

Não tenho você
e não tenho tempo.
Assim,
vou me desfazendo aos poucos.

quarta-feira, 17 de março de 2010

O pior da vida é desejar loucamente aquilo que não se quer.